Confiança do empresário cresce e futuro presidente da Fempi demonstra otimismo

Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) alcançou 56 pontos em outubro

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) alcançou 56 pontos em outubro. Com a leve alta de 0,3 ponto frente a setembro, o indicador está 3,7 pontos acima do registrado em outubro de 2016, informa a pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta segunda-feira (23). Esse otimismo do cenário econômico é compartilhado pelo setor em Itaquaquecetuba, de acordo com o futuro presidente da Frente Empresarial Pró-Itaquaquecetuba (Fempi), Carlos Lapique.

Otimista com os indicadores que apontam uma leve recuperação na atividade econômica do Brasil, Lapique avalia que 2017 deverá ficar marcado como um ano de recuperação para o setor e 2018. O próximo ano pode abrir um período de crescimento na indústria e outros setores da economia brasileira.

As mudanças na legislação trabalhista, que entram em vigor a partir do dia 11 de novembro, isso ampliam ainda mais a expectativa de melhoras no setor ao longo dos próximos meses. ” Aos poucos, estamos caminhando para ter um 2017 melhor do que esperávamos e para começarmos um 2018 com o ‘copo cheio'”, afirma Lapique.

A expectativa, explica o economista da CNI Marcelo Azevedo, é que a confiança continue aumentando nos próximos meses. “Isso é imprescindível para estimular os investimentos”, afirma Azevedo. A confiança é maior nas grandes indústrias. Nesse segmento, o ICEI de outubro ficou acima da média nacional e alcançou 58,6 pontos. Nas médias empresas, o indicador foi de 54,3 pontos e, nas pequenas, de 52,3 pontos.

Saiba mais

O ICEI é formado pelas avaliações dos empresários em relação às condições atuais e futuras das empresas e da economia. Em outubro, o índice sobre as condições atuais ficou estável e o de expectativas para os próximos seis meses aumentou 0,4 pontos e ficou em 58,8 pontos.

O ICEI antecipa tendências de investimento na indústria. Empresários otimistas em relação ao desempenho presente e futuro das empresas e da economia tendem a investir mais. Isso é decisivo para a reativação da atividade, a criação de empregos e a volta do crescimento econômico.

Essa edição da pesquisa foi feita entre 2 e 17 de outubro com 3.097 indústrias. Dessas, 1.208 são pequenas, 1.175 são médias e 714 são de grande porte.

Futuro presidente da Fempi está otimista com a economia brasileira

Política e economia

O empresário aponta que aos poucos a economia está se desvencilhando da instabilidade e indefinição política que o Brasil enfrenta e, como consequência, mês após mês está apresentando melhorias em diversos setores. “O que vem acontecendo é que as vertentes [política e econômica] converteram e agora a economia começa a andar com as próprias pernas e esses fatos não estão mais atrapalhando o andamento dela. Aos poucos, estamos vendo eu os agentes estrangeiros estão voltando a investir no Brasil”, explica.

Ele ainda aponta como fundamental para a retomada do crescimento a longo prazo uma política de transparência no setor público e no setor privado que se converteria em um elemento importante para o país: confiança. “A questão chave para a nossa recuperação passa por acreditar nas pessoas e nos negócios. Precisamos ter uma visão fundamentalmente transparente e assim vamos retomar o crescimento para gerarmos aquela alegria que o brasileiro tanto sente falta”, finaliza.